quarta-feira, 18 de outubro de 2017

EXPOSIÇÃO ROLEMEFI - ARTISTA PLÁSTICO - ROQUE LEITE DE MEDEIROS FILHO

























A Fundação Cultural de Campo Mourão-Pr por meio da Biblioteca Municipal professor Egydio Martello e Grupo Arteiros Atrevidos, convidam todos para Exposição ROLEMEFI - a arte no olhar do saudoso professor e artista plástico Roque Leite de Medeiros Filho.

A exposição começou ontem 17/10/17 e será comentada abaixo, pelo olhar da escritora e presidente da AME - Associação Mourãoense de Escritores Fátima Saraiva, que também cedeu as fotos.

A exposição vai até o dia 31/10/17 nas dependências da Biblioteca Municipal professor Egydio Martello na Estação da Luz.

Comentários da escritora Fátima Saraiva:

De acordo com o cerimonial feito pelo professor Cícero Pereira de Souza o artista deixou mais de mais de 150 obras.

Estavam presentes o Músico Jorge Carlos Siqueira, Maestro da Fanfarra e Bandas Municipal de Luziana/PR - FAMUL. E  Samuel M. Siqueira é regente, filho do maestro já citado. Eles abriram a Exposição com músicas instrumentais e emocionaram os presentes. 

Entre os familiares do artista estavam presentes:

Angélica Goldoni de Medeiros (esposa), Ana Clara Goldoni de Medeiros (filha), Thais Goldoni (sobrinha) e Ricardo Luiz dos Santos (namorado de Thais). 

Era visível a emoção de  Angélica (Esposa), que após três anos do falecimento do esposo, o primeiro e mais intenso contato com as obras do marido, foi na exposição de ontem.

A pequena Ana Clara (filha), seu olhar era de encantamento. Observou todas as obras com atenção e ficou ao lado de sua mãe o tempo todo.   

A sobrinha, Thais falou emocionada e brevemente sobre o momento singular da homenagem ao tio. E assim como a pequena Ana Clara, seus olhos abarcava toda e qualquer imagem composta pelo tio no passado. Eram olhares de admiração e saudade.

Entre os professores que prestaram a homenagem ao artista estavam: 

Cícero Pereira de Souza que é também ator e vereador na atual legislatura.

Edevaldo Alves de Almeida (Pixote). Atualmente é professor no Colégio Jaelson Biacio em Piquirivai e nos Colégios Estadual e Adventista, ambos em Campo Mourão.

Rubiamara Favaretto de Marins, que foi amiga de trabalho e por certo tempo trabalharam no Colégio Antônio Teodoro e estabeleceram laços de amizades. Era mais uma das pessoas fascinadas pelas obras e histórias do artista. Ela atualmente é professora de Espanhol e apaixonada por Artes. 

Juliana Sena, professora de Artes e amiga do artista. Muito atenta às obras e muito carismática com os presentes. Estava saudosa e emocionada com a linda homenagem ao companheiro de profissão.

Outras pessoas presentes:

Sílvia Bathke, que é esposa do médico Humberto Saconato, ambos amigos da família. 

Giselta Veiga, da Academia Mourãoense de Letras - AML. 

Cristina Gláucia Schreiner Mota, também da AML.

E o sempre presente Francisco Otmar, leitor assíduo da biblioteca, mais uma vez mostrando que não há limites para o querer estar e ele estava presente e apreciando cada obra exposta do artista.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

UMA SINGELA HOMENAGEM PARA OS PREFESSORES

Na passagem do dia dos professores, eu li muita coisa. Recebi homenagens e fiquei feliz pelas mesmas.
Quero destacar, pela maneira singela com que fui abordado ontem pelo querido Rodrigo Hort, a homenagem da sala dele.

Ele me entregou uma cartão lindo impresso em computador com os seguintes dizeres: "Nosso agradecimento por repartir seus conhecimentos, vivências, experiências, e nos fazer acreditar que somos capazes de transformar sonhos em realidade! Parabéns pelo seu dia! Homenagem do 1º B - C. Econômicas.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

FILME O JOVEM KARL MARX

Certa vez me perguntaram se eu iria assistir o filme "Polícia federal - a lei é para todos (menos para o PSDB) - os bastidores da lava jato, respondi na hora que não tinha estômago para tal . O filme inclusive apesar do investimento milionário foi um relativo fracasso.
Ontem, perguntei para uma amiga de facebook se ela iria assistir um determinado evento na noite de sexta-feira e ela respondeu na lata que não tinha estômago para tal. Aliás, o ar da sexta-feira além daquele odor horrível que exala toda vez que chove em Campo Mourão-Pr (espero que descubram a origem), tinha uma certa mistura de parcialidade, seletividade, se é que os internautas me entendem.
Aí pensei, depois de umas leituras técnicas da minha área de ciências econômicas, resolvi a assistir ao belo filme "o jovem Karl Marx" que caiu como uma luva para a ocasião. Aliás, tenho que agradecer a gentileza da Yohana Graziely que me enviou o link por email. Não estava conseguindo encontrar.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

BATE - PAPO COM ESCRITORES EM CAMPO MOURÃO-PR E BOLO COMEMORATIVO











Sou uma pessoa apaixonada por livros, leio intensamente desde a adolescência e os motivos sempre foram o prazer da leitura e o combate à minha timidez. Todo tímido sabe as artimanhas que precisa inventar para se colocar no mundo sempre tão agitado.

Sou professor universitário há 22 anos. Já participei de dezenas de lançamentos de livros e eventos relacionados, mas evento igual ao que participei no último sábado 30/09/2017 foi para mim um dos mais significativos, importantes e gostosos.

Foi a comemoração dos 60 anos da Biblioteca Municipal professor Egydio Martello (ver foto do bolo) e um dos eventos comemorativos, do qual participei, denominaram bate-papo com escritores e reuniram três importantes escritores que residem em Campo Mourão-PR. Ele e elas  toparam falar sobre suas trajetórias e responder questionamentos e no final da matéria comentarei sobre cada um deles.

Tinha adultos muitos especias e de muita qualidade na luta literária naquela sala e com certeza alguns e algumas jovens que se fizeram presentes, certamente pela riqueza do encontro, também serão muito importantes na área literária no futuro.

A comandante do evento, era a guerreira Mara Cristina Oliveira Santos que recentemente ganhou a Comenda Vida e Liberdade da AML - Academia Mourãoense de Letras e que com um discurso para lá de empolgante ganhou muitos admiradores e um deles sou eu. Ela no sábado, recebeu a cada um e cada uma dos/as participantes desconhecidos, especialmente os jovens, como um pastor de igreja recebe um novo fiel, sorrindo e encantada, porque sabe que cada olhinho vidrado nos escritores e escritoras presentes poderia ser uma bela semente de futuro.

Estavam presentes das pessoas que conheço (outras nomes mais podem ser incluídos nos comentários) :
O escritor Max Moreno que escreveu o livro intrigante "A outra sombra" o qual li em poucas pegadas.
A escritora e imortal Cristina Schreiner Mota, professora querida a qual aprendi a gostar há muito tempo.
A escritora e imortal Ester de Abreu Piacentini, atual presidente AML e minha conhecida de longa data, até estudamos juntos e sempre que nos encontramos ela vem me cumprimentar com muita simpatia.
A escritora e imortal  Cida Freitas que já foi presidente da AML, conhecida antiga minha e que no sábado, na condição de professora de português, estava explicando aos jovens que é preciso fazer amizade com as palavras para não errar na escrita. Adorei a dica.
A escritora, imortal e grande amiga de longa data professora Dirce Bortotti Salvadori que contribuiu para o debate questionando um dos escritores. No final na hora do bolo, conversamos um bom tempo o momento catastrófico que o Brasil está vivendo.
A escritora, imortal e grande amiga professora Dalva Helena de Medeiros.
A escritora, imortal e encantadora Benedita Cristófoli, autora de vários livros, elétrica no seu jeito de ser, contou um pouco da sua forma de escrever, de sua pesquisa recente feita em Porto Alegre-RS e etc e etc.
A escritora e querida Ana Aparecida Ceola Ribeiro, a nossa tesoureira da AME. 
A escritora e presidente da AME - Associação Mourãoense de escritores, minha amiga e que no evento declamou uma de suas poesias Fátima Saraiva.
A escritora e vice-presidente da AME querida Fátima Braga.
O escritor e imortal João Lara, também companheiro de bailes nos clubes em Campo Mourão-Pr.
A escritora e imortal Silvânia Maria Costa Carvalho
A escritora Sonia Ubelina de Oliveira Silveira
A Aracelis Aragão
O seu Francisco Otmar Soares leitor assíduo da biblioteca.
Mauricio e Doroty e sua linda filha Izabele.
Mariana, Leandro e Mateus.
O garoto Renan, aluno da professora  Maria Pasquini
Nicolas, nosso fotógrafo, neto da Giselta.

Luciana Demetek de Oliveira Coordenadora da Biblioteca.
O faz tudo, vereador, ator, professor, declamador e outros tantos "dor" Cícero de Souza, que na sua intervenção, testemunhou que pessoas de outras cidades ficam impressionadas  de saber da grande quantidade de escritores e escritoras que temos na nossa cidade.
A professora Maria Soares Sampaio Pasquini do Colégio Estadual Dr. Osvaldo Cruz - CEDOC, que está desenvolvendo um projeto maravilhoso sobre leitura. Ela está trabalhando com alunos de quintas a sétimas séries, em que os alunos e alunas escolhem um livro de autoria de residentes em Campo Mourão-Pr, e após leitura da obra e escrevem uma carta para o/a autor/autora que se comprometeram a responder, porque segundo a professora, na cabeça dos alunos livro na biblioteca é só de gente que já morreu. Imaginem o impacto de um projeto assim.   

E após apresentar as pessoas que eu conheço que estavam lá, vou comentar um pouco sobre os três escritores que conheço, um pouco menos que os demais citados.

O primeiro que falou é graduado em Letras e História pela Unespar campus de Campo Mourão-Pr e escritor imortal Gilson Mendes de Góes, tímido como ele próprio ressaltou, deixou muita gente emocionado, quando relatou que veio de uma cidade pequena aqui da região, ainda pequeno e se considera hoje um mourãoense. Afirmou que se apaixonou pela escrita ao ser aos poucos sendo elogiado pelas suas redações, que deve muito à Biblioteca Municipal de Campo Mourão-Pr, que tem livros prontos já escritos na sua cabeça e que por ser hiperativo não consegue ficar muito tempo digitando e espera publicá-los um dia e com aquele sorriso, fez uma declaração muito interessante. 

Disse que escreve um livro na espera de que ao menos uma pessoa leia e  goste, pois ele precisa de um elogio e deixou ao público a percepção de que não é uma questão de vaidade, mas sim de necessidade que quem escreve tem, ou seja,  que um comentário para um escritor é tão importante quanto o aplauso para um artista.

Na sequência quem falou foi  a escritora e imortal Giselta Veiga. Eu a conhecia pouco, tinha conversado uma vez numa reunião da AME, mas confesso que fiquei admirado com a história de vida dela e o caminho para a literatura. Disse que se casou aos 17 anos, ficou grávida e foi morar na fazenda. Naquela época segundo ela, a mulher que não se casasse logo ficaria mal falada (eu amenizei a fala dela aqui rsrs), quase do tipo "bela, recata e do lar". Pois bem, a Giselta fez tudo direitinho como era de ser. 

Não ficou mal falada e depois dos filhos grandes, resolveu fazer faculdade em Cascavel, fez jornalismo, é terapeuta, "se deu" como ela mesmo afirmou,  uma viagem para a Europa  de onde voltou impregnada de cultura e se embrenhou no mundo da literatura e já escreveu algumas obras e uma delas em homenagem aos professores do seu curso. E contou que encontrou uma professora de português na volta da Europa e falando de sua intenção de escrever, a referida professora se ofereceu para corrigir o texto e dali por diante corrigiu os demais.

E finalmente a última a falar foi uma nova recém  mourãoense, que já havia morado por aqui durante seis anos em outra época, a escritora Silvia Novaes Fernandes que tem um blog chamado "prosapoemapastél", muito interessante (no lado direito do meu blog você pode acessar). Ela é mineira de nascimento, muito falante que acabou indo morar em Curitiba-PR. Perguntei a ela na sexta-feira na câmara de vereadores como se acostumou com o povo curitibano que é conhecido por ser "muito frio" e ela apenas sorriu. Pelo jeito tirou de letra.

Ela se diz uma privilegiada porque seu pai era professor de línguas e  sua mãe professora de música. Cresceu rodeada de livros e música. É apaixonada pelo Monteiro Lobato sua grande inspiração, inclusive vencendo um prêmio em Brasília-DF sobre o tema. Até citou um bela frase dele "Quem escreve um livro cria um castelo, quem o lê mora nele. Nos abrilhantou com uma crônica "a mãe que virou lobo" (encontrei no google e está no blog dela de 2014) e ainda declamou um lindo verso da poesia "mineira" (encontrei no google e está no blog dela de 2013) mas também no livro de sua autoria "Um pouco de mim".          

É fácil detectar, que são bem diferentes as características dos convidados para o evento, provando que para se apaixonar pela leitura e pela escrita não há distinção de classes, embora num Brasil, um dos mais desiguais do mundo, possa existir mais facilidade para uns que para outros. O importante é primeiro se apaixonar pela leitura, que consequentemente se enveredará para a escrita. É só dar tempo ao tempo.

E como a vida as vezes é dura, nada como terminar o evento com um delicioso bolo e foi o que fizemos na sequência, conforme as fotos atestam.          

domingo, 1 de outubro de 2017

CLIPE DE TODA COR

Por indicação da minha irmã Rose Mari Maybuk assistente social da melhor cepa, sensível e guerreira. Eu publico aqui o clipe "de toda cor" para colorir todas as mentes atrasadas, preconceituosas e hipócritas da nossa sociedade.CLIQUE AQUI para assistir.

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE CAMPO MOURÃO-PR COMPLETA 60 ANOS E RECEBE COMENDA












Sobre as fotos, ainda irei publicar posteriormente uma com todos os membros da AME presentes no dia. Assim que eu tiver acesso a ela.

A biblioteca municipal professor Egydio Martello de Campo Mourão-Pr, foi homenageada com a Comenda 10 de outubro pela Câmara de Vereadores do município no dia 29 de setembro de 2017.

Eu estive lá na condição de membro da AME - Associação mourãoense de escritores (não sou escritor propriamente dito, mas por ser amante da leitura e após um período de análise fui aceito por lá). Aliás, estou me deliciando com os eventos. Estar perto e ouvir escritores e escritoras é como se sentir num mundo paralelo, eles e elas têm mentes diferenciadas, parece que há um bálsamo no ar, algo incrível.  

Também por uma gentileza do vereador, meu representante particular professor Cícero de Souza do PT, acabei sendo mencionado pelo presidente da câmara vereador Edson Batilani do PPS na condição de auditor e controlador da Unespar, cargo que no momento ocupo na gestão do reitor professor Antonio Carlos Aleixo.

Assisti ao evento ao lado da membro da AME e também imortal da AML a querida professora  Cristina Schreiner Mota.
O evento foi muito interessante. 

Na mesa de autoridades, além dos vereadores presentes um destaque ao vereador Edson Batilani que também foi o autor da homenagem (subscrito pelos demais) e que fez a leitura de um belo texto recordando toda a história da criação dela . Também o vereador professor Cícero de Souza, que por ser  ator, fez uma bela apresentação com uma poesia escrita especificamente para a biblioteca homenageada e emocionou os presentes. 

Também estava na mesa de autoridades o prefeito municipal Tauillo Tezelli  que no seu jeito tranquilo de falar, por ser mourãoense, deu testemunho de como era a referida biblioteca pelos vários lugares em que esteve instalada e ele na condição de estudante do Colégio Estadual, a visitava no período escolar. Também fez homenagem aos prefeitos anteriores que tiveram relação com ela e deu destaque ao atual local de instalação que inclusive abriga a Academia Mourãoense de Letras.

A Secretária da Cultura Marley Formentini (minha antiga conhecida e que na ocasião tive oportunidade de falar com ela sobre algumas coisas sobre a sua pasta), fez uma fala homenageando e citando todas as mulheres funcionárias da biblioteca. Justa homenagem. Ela inclusive aparece em  foto na publicação, ao lado do prefeito e do autor da comenda recebendo a homenagem em nome da biblioteca.

E por fim, embora não tenham feito falas, estavam na mesa de autoridades as acadêmicas imortais a atual presidente da AML Ester de Abreu Piacentini minha conhecida de longa data, pois até estudamos pós-graduação juntos e a querida  professora Dalva Helena de Medeiros que é minha amiga  e também colega de Unespar, a qual tenho um profundo respeito pela carreira e por todos os momentos de luta, uma grande guerreira.  

E junto delas a graduada em geografia pela Unespar, também escritora e que está presidindo brilhantemente a AME a Maria de Fátima Saraiva Ferreira, a qual é também minha amiga.

Não posso deixar de fazer uma observação que tem me angustiado e que estão interligadas, embora muitos desatentos não estão se dando conta.

Preciso salientar que uma quantidade grande de mulheres numa mesa de honra, por incrível que  pareça em pleno século XXI ainda é motivo de destaque. Recentemente, participei de um evento da área de economia aqui mesmo em Campo Mourão-Pr e na mesa de autoridades, das oito pessoas só havia uma mulher.

E tenho certeza absoluta que a coisa pode piorar, pela onda fascista e machista que ronda nosso país no momento, tanto pelo "dirigente" maior que além de ser o mais impopular da história,  que tem na sua equipe diretiva 99% de homens brancos, como por  um outro sujeito por aí, que despreza as mulheres e as trata como objeto, que endeusa a época da ditadura militar, me fazendo embrulhar o estômago,  e incrivelmente possui grande aceitação por jovens de acordo com as pesquisas. Todos devem se preocupar, especialmente os e as intelectuais do país para um fenômeno que pode ser drástico, amargo e muito comprometedor para as futuras gerações.