domingo, 17 de dezembro de 2017

SARAU LITERÁRIO DA AME - DEZEMBRO DE 2017















































Neste sábado, 16 de dezembro de 2017, a AME, Associação Mourãoense de Escritores (Coordenação  Fátima Saraiva e Fátima Braga)  em conjunto com a Biblioteca Pública Biblioteca Municipal Egydio Martello, (Coordenação Luciana Demetke)  promoveu um Sarau Literário, com expressões em forma de poesias, poemas, prosas e músicas. Foram horas agradáveis com bons textos de autoria dos próprios participantes ou de autoria de grandes autores.
Fotos da publicação cedidas pela Fátima Saraiva.
Eu tive o prazer de assistir todo o evento e fazer uma  intervenção. Tal qual após o Sarau do mês passado fiz um relato em versos, considerando algumas frases e situações lá ocorridas.
Somente que estava lá vai entender. Um motivo para você internauta participar do próximo e entender a brincadeira poética.
 
No último encontro da AME do ano, os que foram por certo gostaram.
Sentiu-se a falta de colegas sempre presentes que se ausentaram.
A Fátima Braga declamou versos incluindo a palavra “pensando”.
O Anderson cantou “eu não vou me adaptar” Eu não caibo ...

O Anderson ainda cantou “os zoios dos bichos” e “prá mim você é linda”.
E a Ester por um bom tempo contou sua bela história de vida.
Ela contou que ensinou as meninas  da favela que ficaram felizes em ter,
uma educação que era proibida e usou tábuas e carvão como giz para escrever.

O Cleverson Ney -  integrante do Rap Nacional Paranaense é um belo talento.
Letras marcantes e de protesto e sempre lutando,  vive um grande momento.
A Izabelle Marrie declamou que é preciso enfrentar a realidade.
E o João Lara falou em psicologia e nos indicou atos de grande verdade.

A Cristina declamou que é preciso registrar sempre  a história da AME.
Sua inspiração foi a bela árvore de natal com fotos de encontros da gente.
A nossa pequena grande cantora cantou suas músicas para lá de românticas.
Agradeceu emocionada,  o apoio da AME e outras pessoas.

A Aline declamou poesia publicada no face e que  não teve nenhuma curtida.
Admirada com a negativa percebeu depois que publicou somente para ela.
A Silvania com uma voz deliciosa cantou “o galo já cantou”, sua composição.
O Maybuk declamou “Ode ao Povo” do Eça de Queiroz, um texto de emoção.    

A Andressa cantou Paula Fernandes e “não te trago flores”.
O Leandro declamou poesia da Mariana dos cabelos cheios de cores.
A Fátima agradeceu a todos e declamou poesia do Kadu como tinha de ser.
E eu adquiri o livro escrito pela Silvania e ilustrado pela Izabelle Marrie.

AULA MARAVILHOSA DE MARILENA CHAUÍ AO RECEBER O TÍTULO DE PROFESSORA EMÉRITA DA USP

A maravilhosa professora Marilena Chauí recebeu o título de Professora Emérita da USP. Todas as homenagens prestadas a ela na cerimônia são importantes de se assistir, mas a aula proferida pela professora é simplesmente imperdível e começa no vídeo a partir de 1h15mim. CLIQUE AQUI para ler e assistir.

A TRISTE REALIDADE JÁ CHEGOU

A "reforma" criminosa trabalhista aprovada em 2017 vai fazer estragos e precarizar empregos. Muitos trabalhadores e trabalhadoras, jovens especialmente, vão trabalhar alguns dias por semana, conforme a "necessidade da empresa" com o tal de trabalho intermitente e vão ganhar menos de um salário mínimo (aos olhares para o teto de quem deveria velar por isso) e evidentemente nunca contribuirão suficientemente para se aposentarem, mesmo que a outra "reforma" criminosa da previdência não seja aprovada.
 
O estrago não vai atingir só que estava começando ou os menos escolarizados. Nas instituições de ensino privado, está se aproveitando a "reforma" criminosa para mandar embora uma leva de vendedores de força de trabalho e para contratarem outra leva , com pagamentos muito mais inferiores.
 
E não é ficção. A Estácio de Sá no Rio de Janeiro já mandou 1.200 na primeira pancada e outras seguirão o mesmo caminho.
 
Lembro-me que quando eu e companheiros de luta queimávamos os braços e a testa ali perto das Casas Pernambucanas entregando folhetos sobre a reforma éramos ignorados, ridicularizados etc. "Isso é coisa desses comunistas" Vão embora para Cuba".
 
Está na hora de todos os trabalhadores ocuparem as ruas. Os brasileiros não merecem isso.
CLIQUE AQUI para ler

sábado, 16 de dezembro de 2017

A "JUSTIÇA" E A HUMILHAÇÃO

Uma coisa está ficando mais nítida a cada nova perseguição. Quanto mais se tenta atingir o Lula mais ele cresce nas pesquisas.
Primeiro foi condenado sem provas e teve uma sentença de 9 anos e pouco. Poderia ser 8 ou 10, mas o nove tem uma simbologia que imediatamente se transformou em gracinhas devido ao ex-presidente ter um dedo a menos em virtude de um acidente quando era torneiro mecânico.
Agora numa velocidade inédita do TRF-4 criticada até pelo Reinaldo Azevedo CLIQUE AQUI que odeia o PT, os homens da justiça em pleno recesso, marcam o julgamento em que eles IMAGINAM que vão impedir a candidatura do Lula, para o dia 24 de janeiro, data em que a ex-primeira dama Maria Letícia sofreu o AVC que a levou ao óbito no dia 03 de fevereiro.
Uma simples coincidência. Será? Não basta praticar a "justiça" como partidário político. É preciso também humilhar.
Mas a imensa maioria do povo brasileiro está assistindo e percebendo tudo isso.
 

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

UNESPAR NO IV COLÓQUIO MERCADO INSTITUCIONAL DE ALIMENTOS E ECONOMIA SOLIDÁRIA UEM - 2017













Hoje fui ouvinte no IV Colóquio Mercado Institucional de Alimentos e Economia Solidária UEM -2017.

Durante os preparativos do evento, à convite das professoras do departamento de economia da UEM  dra Mara Lucy Castilho (coordenadora do evento) e dra Rosalina Lima Izapão, fui parecerista na submissão dos artigos científicos e painéis.  

Assisti duas oficinas:

Uma chamada "PAA e PNAE: institucionalidade e a realidade operacional na prática" com Vanderlei Amborni da SEAB, Katerine Elizabeth Brero da EMATER, José do Carmo Francisco da Cruz da Secretaria de Agricultura de Paiçandu e a nutricionista Ana  Karla Basseto da prefeitura de Paiçandu.  

Outra chamada "O associativismo da agricultura familiar na dinâmica da Economia Solidária e sua contribuição com o desenvolvimento local" com o professor da Unespar campus de Campo Mourão dr João Carlos Leonello.

O evento foi muito rico com debates interessantes sobre os dois temas. O professor Leonello tem uma grande experiência em projetos de economia solidária e desenvolvimento local, especialmente pela sua contribuição na época de formação da então APROCOR  de Corumbataí do Sul e atualmente coordenando projeto do Programa Universidade Sem Fronteiras em Nova Tebas.

E os representantes da outra oficina eu não os conhecia, e  demonstraram muito conhecimento  e relataram suas experiências. Combinei com José do Carmo de Paiçandu, de fazer uma matéria específica sobre a interessante experiência conjunta deles no município, que inclusive resultou em prêmio nacional "Boas práticas de Agricultura Familiar para Alimentação Escolar". Assim que tiver fotos e informações faço a matéria.

Também combinei com a professora Mara que tive prazer de conhecer pessoalmente,  de receber fotos e informações para fazer uma matéria específica sobre todo o evento.

Encontrei por lá a professora aposentada Maria Nezilda Culti e falamos sobre os projetos dela, a professora  Maria de Fátima Garcia que já esteve algumas vezes em nossos eventos em Campo Mourão e a professora Rozenilda Luz (mãe do meu filho Giordano Bruno).

Agradeço imensamente a acolhida da professora Rosalina Lima Izapão.